Bloco K: fique atento aos prazos e às obrigações

Desde que começou a ser implementado, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) já provocou e ainda vai provocar diversas mudanças na administração das empresas. Para as indústrias, especificamente, uma das principais alterações vem sendo causada pela implementação do Bloco K, que faz parte do módulo EFD-ICMS/IPI e interfere diretamente na gestão do estoque e na produção desses empreendimentos.

O Bloco K realiza a escrituração eletrônica do Livro de Registro de Controle da Produção e do Estoque. Isso quer dizer, em termos práticos, que por ele são enviadas informações completas da produção, do estoque e os materiais utilizados na fabricação de todos os produtos. Além das indústrias, empresas atacadistas também devem utilizar esse sistema.

Por isso, a organização precisa tomar os cuidados necessários para cadastrar todos os produtos, os insumos utilizados e fazer um controle rigoroso de tudo o que entra e sai do estoque. Perdas ou sobras de materiais durante o processo de fabricação, por exemplo, precisam ser registradas. Isso inclui ordens e apontamentos de produção, requisições e recebimentos de matéria-prima e até mesmo entrada e saída de sucata.

A legislação estabeleceu para as obrigações do Bloco K uma periodicidade mensal. Devem ser apresentadas informações relativas a um mês civil ou fração, mesmo que o levantamento das informações seja efetuado em períodos inferiores a um mês, segundo a legislação de cada imposto.

Prazos para implementação do Bloco K

Assim como ocorre em outros módulos do Sped, a implementação do Bloco K vem sendo realizada por fases. O primeiro prazo foi 1º de janeiro de 2017 e dizia respeito à informação dos saldos de estoques escriturados nos Registros K200 e K280 para indústrias classificadas nas divisões de 10 a 32 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE). Confira as outras datas:

  • Para as empresas com faturamento anual igual ou superior a R$ 300 milhões:
    – 1º de janeiro de 2019: correspondente à escrituração completa do Bloco K para as empresas classificadas nas divisões 11 e 12 e nos grupos 291, 292 e 293 da CNAE;
    – 1º de janeiro de 2020: refere-se à escrituração completa do Bloco K para as indústrias classificadas nas divisões 27 e 30 da CNAE;
    – 1º de janeiro de 2021: correspondente à escrituração completa do Bloco K para as empresas classificadas na divisão 23 e nos grupos 294 e 295 da CNAE;
    – 1º de janeiro de 2022: refere-se à escrituração completa do Bloco K para as indústrias classificadas nas divisões 10, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 24, 25, 26, 28, 31 e 32 da CNAE.
  • 1º de janeiro de 2018: restrita à informação dos saldos de estoques escriturados nos Registros K200 e K280 das empresas classificadas nas divisões 10 a 32 da CNAE e faturamento anual igual ou superior a R$ 78 milhões com escrituração completa conforme escalonamento a ser definido;
  • 1º de janeiro de 2019: restrita à informação dos saldos de estoques escriturados nos Registros K200 e K280 para as demais indústrias classificadas nas divisões de 10 a 32 da CNAE e empresas atacadistas classificadas nos grupos de 462 a 469 da CNAE com escrituração completa conforme escalonamento a ser definido.

 

Quem não cumprir com as obrigatoriedades do Bloco K estará sujeito a multas e poderá ser enquadrado por crime de sonegação fiscal. Por isso, todo cuidado é pouco na hora de enviar as informações necessárias. Até os itens menores, como porcas, parafusos e pregos devem ser devidamente contabilizados.

Isso porque o controle do fisco em relação ao estoque das empresas será muito maior com a implementação do Bloco K e o uso do aparato tecnológico, pois o governo poderá cruzar os dados transmitidos e verificar de maneira mais efetiva as possíveis inconsistências.

Para fazer uma correta gestão do estoque, contar com um sistema de sistema de gestão integrada é uma excelente alternativa. Dessa forma, você consegue exercer um controle mais preciso das informações, pois elas ficam armazenadas e estão sempre à disposição dos gestores.

Entre as opções de sistema do mercado está ERP Radar Empresarial, da WK Sistemas, que é oferecido pela Ynos. A solução facilita o registro das informações necessárias para o seu controle e possui integração com o Sped, garantindo segurança e agilidade na automatização e geração dos livros contábeis em formato digital.

Quer conhecer melhor essa solução? Entre em contato com a gente. Nossa equipe de especialistas está pronta para tirar qualquer dúvida e ajudar você na organização de seus processos. E para ficar por dentro também das outras obrigações do Sped, baixe o e-book no qual explicamos detalhes dos principais módulos do sistema. Clique no banner abaixo e aproveite o conteúdo!