Você sabe qual é o impacto do custo da mão de obra nas finanças da indústria?

Saber exatamente o que se gasta é fundamental para uma empresa entender se está tendo lucro ou não. E esses custos provêm dos mais variados setores, sendo que cada um deles merece atenção e possui uma maneira distinta de ser calculado. O custo da mão de obra, por exemplo, está entre os mais comuns e pode dar uma clara ideia de como andam as finanças de um negócio.

Por isso, neste artigo vamos falar sobre quais são os tipos de mão de obra, como calcular o seu custo e de que forma ele pode impactar nas finanças da indústria. Acompanhe!

Diferenças entre mão de obra direta e mão de obra indireta

Calcular o custo da mão de obra não é uma tarefa tão complexa, mas é necessário entender que existem dois tipos de mão de obra, a direta e a indireta, antes de partir para a prática.

A mão de obra direta é aquela relacionada ao trabalho realizado diretamente na produção de um determinado bem ou serviço. Por exemplo, numa fábrica de sapatos, a mão de obra direta é representada pelos funcionários que possuem atividades ligadas diretamente com a produção de todas as partes dos sapatos e sua montagem.

Uma característica importante da mão de obra direta é que ela permite mensurar, do ponto de vista contábil, a quantidade de mão de obra que foi necessária para a produção de cada mercadoria, o que não é possível com a mão de obra indireta, como veremos a seguir.

A mão de obra indireta é aquela relacionada às atividades de supervisão e apoio à produção, mas que não possuem relação direta com o produto, mesmo que essas funções sejam essenciais à sua produção e comercialização.

No caso da fábrica de sapatos, a mão de obra indireta é representada pelos funcionários responsáveis pela manutenção das máquinas, limpeza, supervisão e segurança do ambiente. Algumas destas atividades até podem ser realizadas por trabalhadores terceirizados, mas é importante deixar claro que mão de obra indireta não é a mesma coisa que terceirização de serviços.

Para não restar dúvidas sobre as diferenças entre os dois tipos de mão de obra, devemos ressaltar que a mão de obra direta é aquela relacionada diretamente ao produto, ou seja, com ela conseguimos identificar quem produziu a mercadoria e quanto tempo foi necessário para isso, o que nos dá o custo da mão de obra. Quando esta identificação não é tão clara e o custo da mão de obra precisa ser feito por rateio ou divisões proporcionais, consideramos que a mão de obra é indireta.

Custo da mão de obra direta

O primeiro passo para calcular o custo da mão de obra direta é identificar quais são os funcionários que estão diretamente relacionados com a produção. Depois, é preciso verificar qual é o custo de cada um deles, levando em conta o salário, os encargos trabalhistas e todos os benefícios destinados a esses colaboradores, como plano de saúde e vale-alimentação.

Por fim, deve-se dividir o valor total dos custos com esses funcionários pelo número total de horas trabalhadas, já descontando os finais de semana e outros períodos de ociosidade. O resultado será o custo, por hora, da mão de obra direta do seu negócio. Então, se na fábrica de sapatos o valor da mão de obra é de R$ 150 mil e o número de horas em um mês é 10 mil, fazendo a divisão, chega-se a um custo de mão de obra direta de R$ 15 por hora trabalhada.

Custo da mão de obra indireta

Conforme dissemos, a mão de obra indireta não está diretamente relacionada ao produto, por isso, não é possível dimensionar a sua participação na produção de cada mercadoria, como exemplificamos no cálculo anterior. Assim, os empreendedores costumam usar métodos de rateio ou de divisões proporcionais para chegar a um custo aproximado da mão de obra indireta.

Mão de obra e capacidade produtiva

Ao entender a importância de calcular os custos da mão de obra direta e indireta e saber seu real impacto nas contas, você está trabalhando também para identificar a sua capacidade produtiva e, por consequência, o que terá disponível para venda.

O objetivo é alcançar o chamado nível ótimo de produção, que é quando se produz em capacidade máxima utilizando toda a mão de obra disponível, colocando no mercado o maior número de produtos e, tudo isso, com o menor custo possível.

Para chegar ao nível ótimo, é necessário realizar um planejamento de produção impecável. Entretanto, sabemos que a gestão da produção pode ser um tanto complexa sem o auxílio da tecnologia. Pensando nisso, você pode contar com o ERP Radar Empresarial, um software de gestão que contempla soluções para gestão de produção, como controles de processos produtivos, engenharia de produto, gestão de manutenção e outras facilidades. Entre em contato com nossa equipe e saiba como podemos ajudar!

E se você quiser saber mais sobre gestão de custos, baixe o nosso e-book gratuito sobre o tema. É só clicar na imagem abaixo e fazer o download agora mesmo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *