A sua empresa está preparada para a internet das coisas?

Se a sua empresa já participou de alguma feira ou evento voltado à tecnologia, com certeza já ouviu falar de internet das coisas. Isso porque, além de ser um conceito que se espalha gradativamente por todos os setores da sociedade, a inovação e a revolução produtiva que ele oferece para a indústria cria novos e animadores horizontes para empreendedores e gestores que buscam alternativas para potencializar e otimizar as linhas e os processos de produção.

Principalmente se considerarmos o fato de que grande parte das mudanças que a internet das coisas propõe — diferentemente de outras revoluções e movimentos mais futuristas direcionados ao setor — traz concepções bastante atuais e de fácil adaptação. Um vez que a base de toda essa transformação é a conectividade das máquinas e equipamentos com a internet e a formação de um verdadeiro banco de dados capaz de transformar ações e ideias em resultados.

Mas afinal, o que é a internet das coisas?

Aqui, é importante ter consciência de que não estamos falando das máquinas tomando o controle dos meios de produção e dominando o mercado em uma escala cinematográfica, nada disso. Para facilitar, vamos a um exemplo: existem no mercado de luxo sistemas de controle automatizado de piscinas domésticas que, baseados na conexão com a internet, fornecem dados sobre a manutenção da piscina diretamente no smartphone do proprietário, alertando sobre os níveis de acidez da água, indicando os produtos corretos para utilizar na limpeza e, inclusive, permitindo o controle da temperatura da água de acordo com o clima e a temperatura corporal dos banhistas. Uma verdadeira mão na roda, certo?

É isso que o conceito de internet das coisas propõe: uma conectividade capaz de cruzar dados, levantar informações e fornecer relatórios completos para facilitar o dia a dia das pessoas. Agora, imagine toda essa conectividade aplicada também na rotina da indústria, com o maquinário fornecendo dados em tempo real sobre a capacidade produtiva, permitindo ajustes à distância e avisando, por exemplo, sobre os estoques de matéria-prima ou eventuais falhas no processo.

Aplicadas à indústria, as informações desse banco de dados são capazes de gerar impactos reais e significativos na qualidade final das mercadorias, no orçamento da empresa, nos sistemas de logística e de vendas e, é claro, na realidade das linhas de produção. Isso permite acompanhar, ajustar e alterar qualquer etapa a qualquer momento, revolucionando a forma de entregar os produtos aos clientes.

A indústria já está se preparando para a nova realidade

Como já falamos por aqui, a internet das coisas é uma realidade extremamente plausível para quem conhece o poder da interconectividade. E, justamente por isso, muitas empresas ao redor do globo já estão preparando o caminho para o momento em que o conceito chegar de vez ao universo industrial.

Afinal, entre gestores de multinacionais, pesquisadores, especialistas em TI e até mesmo sociólogos, esse é o assunto do momento, e se preparar para a internet das coisas é se antecipar a algo inevitável.

A grande sacada da internet das coisas na indústria vai além da inserção de inteligência artificial em objetos comuns. Na verdade, seu objetivo é interligar todas as máquinas e equipamentos que compõem uma planta industrial e reconfigurar totalmente as suas funções, abrindo espaço para que os gestores sejam capazes de antecipar todo e qualquer sinal de perda na produtividade ou falhas em seus processos operacionais, resultando em mais lucratividade para o negócio.

Aliás, você sabia que o baixo investimento em tecnologia e inovação é um dos principais erros na gestão industrial? Não se adaptar às novidades do mercado é uma falha que pode trazer prejuízo à competitividade das empresas desse segmento. Para saber mais sobre esse e outros erros, acesse nosso e-book Os 7 principais erros na gestão industrial:

Como preparar a minha indústria para a internet das coisas?

Com a possibilidade de monitorar o fluxo de toda a operação e a velocidade de integração entre ferramentas, insumos e máquinas, já vimos que a internet das coisas traz, entre outros benefícios, a possibilidade de eliminar perdas, aperfeiçoar os processos produtivos e a qualidade final do produto. Porém, todo esse mapeamento e controle vai exigir, cedo ou tarde, que a empresa invista em tecnologia e também em capacitação.

Em outras palavras, é importante que os responsáveis pela gestão tenham plena consciência de que a cultura empresarial deve passar por uma transformação. Até porque pouco adianta investir em equipamentos e sistemas de ponta se os responsáveis por sua utilização permanecerem apegados aos antigos modelos de análise e uso de dados para a tomada de decisão.

O controle da qualidade, da produção e dos estoques também vai precisar ser mais refinado do que nunca, e é nesse contexto que softwares que ajudam na gestão automatizada mostram sua importância. Um exemplo disso são os ERPs, que integram em um mesmo espaço as informações sobre todas as áreas da empresa, garantindo mais controle, agilidade e segurança na organização e na análise dos dados.

Entre em contato com a nossa equipe e saiba como podemos ajudar a sua empresa a inovar e contar com a tecnologia para obter os melhores resultados! Afinal, manter seus processos em dia e dispor de suporte tecnológico de ponta no controle deles é uma das formas mais eficientes de se manter à frente da concorrência para quando a internet das coisas invadir de vez a rotina industrial.

Gostou deste artigo? Compartilhe o material com a sua equipe e deixe suas impressões sobre o tema na nossa caixa de comentários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *